29 abril, 2012

O valor de um nunca

Nunca, nunca deixe que a poesia da vida se vá, assim como aquela folha que passa diante dos seus olhos entoada pelo vento. Sinta, diga que ama, abrace. Esqueça o seu pensamento sobre as coisas que não merecem, sequer, um segundo da sua atenção. E às que merecem, dedique o seu amor, o máximo de você... sem esperar em troca.

Nunca, nunca deseje que um momento da sua vida se vá, assim como aquele trem que corre sobre os trilhos de um destino conhecido por você. Acima da sua vontade há um céu inteiro e tantos mistérios que não se explicam e não se revelam. Você nada sabe... falo de um propósito maior, longe do alcance de qualquer ser humano.

Nunca, nunca permita que a pessoa que você é fique em você, assim como aquela raiz profunda, fincada numa terra imóvel, dura, seca. Viva a renovação. A plenitude brota em quem lança fora o seu próprio mal, sem apego, sem medo de ser diferente do que sempre foi. Sempre ter sido não significa o melhor que você pode ser.

Nunca, nunca permaneça em seu lugar diante de palavras eternas, assim como aquele que sente frio, mas não tece o agasalho, mesmo tendo as linhas e agulhas nas mãos. Internalize e faça a semeadura. Valem os sorrisos, o bem, a canção, o coração disposto.


Ingrid Dragone

2 comentários:

Anônimo disse...

mto bom e mto lindo!

Ingrid Dragone disse...

Obrigada! Como é seu nome? rs