20 fevereiro, 2009

Só na televisão

Está cientificamente comprovado. Quando passa, o trio elétrico provoca uma trepidação no tórax que não é boa para o coração. Quem gosta da folia não se importa, ou melhor, nem sabe disso. Aliás, acha que o coração está muito bem nessa hora. As ondas sonoras das letras quase sem letra e das músicas cheias de ritmo contagiam os foliões apaixonados pelo Carnaval. Carnaval... a própria palavra embute o sentido de festa da carne. Com isso ainda vem o suor, as drogas (lícitas ou não), a multidão.

Com a multidão vem o tumulto. Com o tumulto, a violência. Com a violência, o arrependimento. Com o arrependimento? Sei lá! Só quem se arrisca sabe! Acho tudo muito bonito... na televisão! Acompanhar os melhores momentos, muito bem pinçados pelos editores de vt das emissoras, é até legal. E só.

Para mim, o anúncio do Carnaval é sinônimo de “vai começar a baixaria”. Quando passa, o trio elétrico arrasta uma massa disposta a muitas coisas. E se quando eu falo em “muitas coisas” pareço desfiar um discurso vago, dá para ser mais explícita. Brincar é uma coisa. Beijar é outra coisa. Outra coisa é brigar. Coisa outra é roubar.

Portanto, no período carnavalesco, o melhor lugar do mundo é o meu ou um lugar bem longe de Salvador. Porque, quando passa, o trio elétrico chama, chama, chama, chama gente. E, como diz meu pai, “gente não é gente”, ainda mais quando os corpos se inflamam, ávidos por aventuras, êxtase, novas experiências... “Atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu”? O refrão é de muitos carnavais. Minha descrença nele também.



Ingrid Dragone

6 comentários:

amanda disse...

Vou ao meio termo. Gosto dos camarotes, mas não me importo de ficar em casa se não tiver quem me acompanhe!

INGRID DRAGONE disse...

Camarotes são uma ótima opção. O problema é chegar neles e sair! rs.

T disse...

Demasiadamente báquico.

INGRID DRAGONE disse...

Fruto de demasiada observação...

Elen Vila Nova disse...

Amiga! Como vc escreve bem! Sucesso sempre. NA VIDA. Que é onde temos a verdadeira plenitude. Vc me entendeu, que eu sei! ahaha

INGRID DRAGONE disse...

Elenzinha, linda! Obrigada! Ainda temos que fazer muita resenha sobre esse assunto, hein?