20 junho, 2008

Mistério



Herdastes da lua

Qualquer mistério,

Um corpo único

Grandezas de império


Num instante, menino

Areias, móbile

Num outro, Hércules

Palavras, paixões


Incabíveis desejos

Em ponteiros

Continentes

Razões



Ingrid Dragone

17 junho, 2008

Recomento – parte 9


* Ter no quarto fotos de momentos especiais. Olhá-las depois de um dia cansativo é muito bom.

* Forró na boate Madrre (às sextas).

* Licor de chocolate da Chocolate Caseiro Ilhéus (Iguatemi).

* Biscoitos sem gordura trans na composição. Está comprovado que esse tipo de gordura contribui para o aumento abdominal.

* Móveis da loja Lar Shopping.

* Reuniões em família... Por causa da correia do dia-a-dia nem sempre nos damos conta da sua importância em nossa vida.

* O filme O Reino.

* Passar manteiga no pão de sal, salpicar orégano, e “fritá-lo”, fazendo a pressão dele (do lado com manteiga) contra o fundo da panela. Se queimar um pouquinho (um pouquinho!!!!!) fica ainda mais gostoso. Para acompanhar, fatias cruas de tomate.

* Amarula (licor).

* Tirar de casa tudo aquilo que você sempre diz que um dia será útil e que no fundo você sabe que nunca vai usar.



10 junho, 2008

O Observador


Na entoca dos seus pensamentos, parece ser quieto demais. E só ele sabe que dentro dele fervilha um mundo de idéias e emoções, todas frutos da observação. O observador aprende muito sozinho, e também escapa de muitas armadilhas. Acaba apurando uma sensibilidade especial, a arte de “pegar as coisas no ar”. Pode parecer desconfiado, mas é, antes de tudo, um leitor de entrelinhas, um tradutor de gestos, um ser que não contém em si o tanto que consegue descobrir.

E tudo somado dentro do observador vira um universo de palavras que precisa ser extravasado. Daí vem o olhar sincero, o ato e a reação autêntica, e a frase que não se cala por nem mais um segundo. E, de repente, quem o julga quieto demais pode ver que por trás de um sorriso sempre simpático, e até tímido, existe um alguém cheio de atitude, humor e energia. Um alguém que tem muito a dizer, que dá gargalhadas, que é capaz de passar horas dançando, que adora conversar, e conversar muito! O observador se espalha, mas na hora certa. O observador surpreende, porque não restringe a sua personalidade à “parlação” e, sobretudo, porque não é refém do “querer parecer”.


Ingrid Dragone, uma observadora.