30 maio, 2008

Apenas Um Olhar

Há momentos em que precisamos de um olhar, apenas um olhar para fazer o coração não temer os próprios riscos. Aquele olhar puro, porém intenso. Aquele que fala da alma de quem olha e pra alma de quem o recebe. Aquele que é tudo, porque é no que pensamos desde que colocamos os pés no chão pela manhã. O olhar que leva a doce sensação do entardecer e sua brisa ao nosso cansaço. O olhar que dispensa quaisquer palavras de poesia. Que vale uma imensidão por fazer com que esqueçamos do mundo. O olhar que habita os versos tecidos pelo nosso íntimo. O olhar que enche de festa e liras esse íntimo. Que nunca desagrada, porque é lindo em paz. Que marca, porque tem o dom de abraçar o nosso pensamento mais angustiado. O olhar que aceita a nossa tristeza e a devolve transformada na beleza de todas as rosas. O olhar que também sabe brindar, e brinda com taças de estrelas a felicidade que nos move. O olhar que não se basta no instante em que olha, e que inspira mais vida em nossa vida. O olhar do amor que ama. Do amor amado. Infinitamente...




Ingrid Dragone

2 comentários:

joao p. guedes disse...

Felicitações, Ingrid!

A sorte me surpreendeu, entre tantos desvãos do universo virtual, com a chegada seu 'depositário de textos'. Pela foto, reconheci que já fomos colegas há um decenário. Lembrei-me, embora vagamente, de seus gestos e declarações de afeição pela poesia, pintura e dança. Contenta-me saber que continua se alimentando e difundindo a arte em diversas facetas. Prossigante!

INGRID DRAGONE disse...

Oi João! De onde você me conhece? Bem, agradeço e espero que continue acessando o meu blog. Um abraço.