30 maio, 2008

Apenas Um Olhar

Há momentos em que precisamos de um olhar, apenas um olhar para fazer o coração não temer os próprios riscos. Aquele olhar puro, porém intenso. Aquele que fala da alma de quem olha e pra alma de quem o recebe. Aquele que é tudo, porque é no que pensamos desde que colocamos os pés no chão pela manhã. O olhar que leva a doce sensação do entardecer e sua brisa ao nosso cansaço. O olhar que dispensa quaisquer palavras de poesia. Que vale uma imensidão por fazer com que esqueçamos do mundo. O olhar que habita os versos tecidos pelo nosso íntimo. O olhar que enche de festa e liras esse íntimo. Que nunca desagrada, porque é lindo em paz. Que marca, porque tem o dom de abraçar o nosso pensamento mais angustiado. O olhar que aceita a nossa tristeza e a devolve transformada na beleza de todas as rosas. O olhar que também sabe brindar, e brinda com taças de estrelas a felicidade que nos move. O olhar que não se basta no instante em que olha, e que inspira mais vida em nossa vida. O olhar do amor que ama. Do amor amado. Infinitamente...




Ingrid Dragone

28 maio, 2008

Recomendo – parte 8

* O filme O último Rei da Escócia.

* Para quem procura uma boa comida em praça de alimentação de shopping, o Medalhão à Napoleon do restaurante Napoleão Bonaparte (Iguatemi/Barra e Salvador).

* O licor de chocolate Amanda.

* A música You Give Me Something (James Morrison). Viciante!

* Fazer de cada dia o “dia dos namorados”.

* Pastel de camarão do Beach Stop (Salvador Shopping). Vem realmente cheeeeeeeeeio de camarão. Só tome cuidado para o caldo não escorrer.

* Jantar do restaurante Salvador Dali (Rio Vermelho).

* Salgados do Fran’s Café (Caminho das Árvores).

* Alongamento. Principalmente para os que trabalham na frente do computador durante horas.


27 maio, 2008

Diferentes essas japonesas!!!

Eu não sabia. E tinha feito dele o melhor de todos. À mão, ou melhor, nos pés em momentos de descanso, descontração. Aquele par de chinelos pretos foi a minha melhor aquisição em termos de sandálias “japonesas” até então...



De repente, alguém me pede para prestar atenção, olhar para baixo e notar uma diferença. Olho, e nada vejo. Nada.


- Qual o problema com elas?

- Uma é maior que a outra! Você não reparou?

- Não! Você não sabe que todo mundo tem um pé maior que o outro?

- Nossa! Você acha que o problema é com o seu pé e não com elas? Sério?

- Você também tem um pé maior que o outro, sabia?


Diante dos risos resolvi fazer a medição. Juntei o par. Constatei: a diferença era grande. Como nunca tinha visto aquilo? Um pé deve ter dois números a mais. Eu? Logo eu! Extremamente atenta, detalhista... Como retirei o artigo da loja sem estar atenta a algo tão importante? Já uso as sandálias há três meses!


Toda vez que olho para o par de "alpercatas" (como diz meu pai) acho graça. Conhecendo a diferença entre elas não posso acreditar que não havia me dado conta. O piso da minha casa é predominantemente branco. Aquelas sandálias pretas saltam aos olhos quando descansam sobre a cerâmica. Assim, a diferença também deveria ter saltado.


Fiquei surpresa com a descoberta, e mais surpresa ainda com o fato dessa diferença não me incomodar. Penso: não percebi, muita gente não percebeu e nem vai perceber. Continuo usando. Confortáveis...



Ingrid Dragone

22 maio, 2008

Feriado?

Hoje é feriado... mas... Casas desabam. Chuvas derrubam barracos. Avião some. Banco é assaltado. O artista chega à cidade. O político responde por corrupção. Traficantes são presos. Ladrões fogem da cadeia. Policiais prendem. Policiais matam. Pessoas morrem na porta dos hospitais. Trabalhadores fazem greve. Criança morre de dengue. Moradores da periferia fazem protestos. As ruas estão esburacadas. Os cães infestam a praia. A árvore cai no meio da rua. O acidente de trânsito mata. Homem assassina a namorada. Menores se prostituem. Cidadão morre atropelado. Corpo é encontrado. Eu, jornalista, trabalho.

20 maio, 2008

Imaginação



Navego um sonho

Sem velas

Sem bússolas ou setas

Na imensidão


Zarpando

Sem âncoras certas

Nas ilhas desertas

Da imaginação


Buscando as coisas

Repletas

De tantas quimeras,

Do ser ilusão


Formada que sou

Arquiteta

De tantas janelas

Pro meu coração


Pintando com letras

Mil telas

Imagens eternas

Fascínio, paixão


O pulso me faz

Inquieta

Na noite desperta

Minha inspiração


São versos

Que tecem os poetas

Prendidos nas celas

Da escuridão





Ingrid Dragone

19 maio, 2008

Recomendo – parte 7


* Filé com fritas e arroz à grega da Torre Churrascaria (Lauro de Freitas). O garçom cortou a carne com duas colheres!!!


* Rir com as etapas eliminatórias do programa Ídolos (Rede Record). A galera pensa realmente que sabe cantar!


* Presentes da Trudys bijouterias.


* Almoço no restaurante por quilo Il Polo (Shopping Iguatemi).


* Para dores de barriga perigosas: Elixir Paregórico. Artigo indispensável em mala de viagem.


* Em tempos de dengue: repelente aerosol Autan (Bayer).


* Sabonete facial da linha Pure Zone (Loreal).


* Show da banda de forró Xaranga Véa.


* Ter sempre uma pastilha ou bala de hortelã à mão. Você poderá, por acaso, encontrar alguém especial depois de ter comido cebola ou camarão.



18 maio, 2008

Dominós

De repente você percebe que falta quase nada. Você tem saúde, casa, comida, carro, instrução, trabalho, lazer, e pessoas boas fazendo parte da sua história. Portanto, tem também a obrigação de sempre merecer tudo isso, agradecendo e empreendendo esforço, responsabilidade e amor.


Cada segundo é digno do seu melhor. Você sabe – porque provavelmente escuta desde criança – que deve fazer de cada dia um novo degrau para chegar onde deseja. Esse é o pensamento do presente como “o” presente, pleno e vivido, e não o pensamento que resume a vida ao que está por vir. Por isso, queira agora! Ame agora! Realize agora!


Cada segundo é digno do seu melhor. Não deixe que a briga se estenda. Não deixe a torneira pingando. O carinho sem retorno. A dúvida sem resposta. Não deixe que a fruta apodreça. Não deixe o poema sem papel. Não se deixe para depois. Se você empurra a primeira peça de dominós enfileirados...


Ingrid Dragone

12 maio, 2008

Cinco Minutinhos

Hoje, quando voltava para casa, após um expediente bem agitado, senti certa irritação por causa de um carro de auto-escola que provocava a lentidão do trânsito (três veículos à frente do meu). Eu estava com muita vontade de chegar porque precisava almoçar e resolver umas pendências para sair novamente.


O maldito automóvel vermelho com uma larga faixa amarela nas laterais era o grande problema da minha vida naquele momento. Fiquei sem paciência. Sem um pingo dela. Até buzinei. Depois achei o meu comportamento ridículo. Realmente ridículo! Eu nasci dirigindo? Aliás, eu nasci sabendo fazer o que mesmo? Quantas coisas ainda devo aprender?


Por que as pessoas não entendem que precisam ser mais tolerantes, calmas e, até mesmo, solidárias? Se aquele cidadão andava devagar é porque, certamente, estava inseguro, tinha receio de errar. Nunca vivi aquele sentimento que ele vivia? E será que cinco minutinhos a mais na pista iriam verdadeiramente fazer alguma diferença para mim e os meus compromissos?


Espero, francamente, não receber buzinadas como aquela diante dos próximos desafios da minha vida pessoal e profissional. E olha que o trajeto ainda é longo, muito mais do que o trechinho que separava o meu estômago do prato de comida.



Ingrid Dragone

02 maio, 2008

Recomendo - parte 6

* Sorvete no Chalezinho, à tarde.

* Pizzaria Torre de Pizza.

* Forró no bar Rock it.

* O filme Crash – no limite.

* Roska de umbu do Cocobahia.

* Bar e restaurante Novo México (Barra).

* Salvar os arquivos de trabalho em pendrives, cds...

* Waffle do Fran’s Café.

* Massoterapia, principalmente após expediente.