24 outubro, 2007

Fazer poesia...


Pinçar dentro de mim as várias faces e sentimentos que escrevem esse ser em que estou... A cada momento me descubro outra, ou como me pareceu agora, mais uma dentro de mim. E quando pego o lápis e faço escorrer dele palavras que inundam de sentidos o papel, formando versos, frases, uma linha, ou uma palavra sozinha, posso estar revelando mais sobre quem sou do que poderia imaginar.

Fazer poesia é recriar o mundo, é fazer dele uma inesgotável fonte daquela água exata de que minha alma tem sede. É transformar uma imagem cristalizada pelo costume e pelo tempo numa folha de papel em branco pronta para ser reescrita.

Fazer poesia é colocar-me diante dos olhos do mundo. Tirar a armadura, descer as máscaras, abrir os sótãos do meu pensamento. É deixar que o meu coração experimente a sensação de se derramar para o outro. Deixar que o outro acolha a minha palavra viva em seu peito, como se fosse sua.


Ingrid Dragone

2 comentários:

Paula disse...

Já que você agora está gostando de blog, depois vê lá os blogs da pós graduação de letras da UFBA. Agora tem um blog novo com os resumos de pesquisas de lá, o link é:
http://posletrasufba.blogspot.com/

beijão,

Paulinha

Anônimo disse...

É também, deixar outros, bobos, sentados em frente ao computador, lendo uma, duas, três, cinco vezes o mesmo texto e se encantando com o você transcrita e transparente para o mundo.

Enoque Lopes